"Sair de um blog sem comentar é como visitar alguém e ir embora sem se despedir..."
Terça-feira, 20 de Maio de 2008

Depois da Masctectomia

A reconstrução cirúrgica e estética da mama é uma realidade para quem é o primeiro passo para ultrapassar uma das mais difíceis etapas da doença.

 

Por Natacha Gonzaga Borges

 

Para a mulher, a perda de uma ou de ambas as mamas pode representar uma mutilação com repercussões psicológicas, sociais e familiares de grande intensidade. Qualquer ideal de beleza feminina contempla seios bonitos e firmes. Por este motivo, a mastectomia constitui, invariavelmente, uma das mais difíceis etapas de ultrapassar num processo de cancro da mama.

Um facto incontornável é que a incidência da patologia está a aumentar, sendo actualmente responsável por cerca de 360 mil novos casos na Europa, todos os anos. O cancro da mama é, aliás, a forma mais comum deste tipo de patologia entre as mulheres, constituindo a primeira causa de morte entre os 35 e os 55 anos, de acordo com a Sociedade Portuguesa de Senologia.

Todos os anos surgem em Portugal mais de 4000 novos casos e morrem 1500 pessoas vítimas desta doença que, quase sempre, inclui actos cirúrgicos no seu tratamento. Na maioria dos casos, contudo, as pacientes podem ser reabilitadas através da reconstrução cirúrgica e do implante de próteses. Com resultados muito animadores.

Uma mastectomia implica a remoção total da mama. Já num tratamento conservador é apenas efectuada uma remoção parcial de um quadrante – esvaziamento da axila onde se encontra localizado o tumor, o que permite manter grande parte da mesma (mais de dois terços), sendo posteriormente submetida a radiações.

No entanto, o tratamento conservador é apenas usado em algumas mulheres, porque a mama restante pode continuar a inspirar preocupação. A decisão de proceder a uma mastectomia depende de critérios clínicos, imagiológicos e de prognóstico, mas também do próprio doente.

“Se é efectuado um tratamento conservador que irá sujeitar uma mulher na casa dos 20 ou 30 anos a radiações, o médico terá de ponderar com a doente se esta será capaz de seguir um controlo clínico apertado, antes da tomada de decisão”, explica José Rosa, especialista em cirurgia plástica, reconstrutiva e estética.

Se a decisão clínica apontar para a necessidade de realização de uma mastectomia, as pacientes podem ser posteriormente reabilitadas quer através da reconstrução cirúrgica mamária com tecidos da própria paciente ou com recurso a próteses.

“São poucos os casos em que a reconstrução não se deve fazer: ou por doença avançada e com prognóstico grave ou por insuficiente motivação da paciente para a reconstrução. Qualquer pessoa mastectomizada tem, à partida, a possibilidade de a poder efectuar (faz parte dos protocolos de tratamento do cancro da mama). E, na generalidade das situações, a reconstrução da mama pode ser planeada e efectuada de imediato”, afirma José Rosa. Contudo, o cirurgião reconhece que muitas mulheres ainda permanecem meses em listas de espera hospitalares, às vezes, anos.

Quando existem factores de risco para a mulher, a reconstrução pode ser decidida à posteriori, após avaliação em consulta multidisciplinar, habitualmente composta por um especialista em oncologia médica, um cirurgião, um psiquiatra ou psicólogo e o próprio doente.

Nos casos de mastectomia em que subsiste pele e músculo suficientes, procede-se frequentemente à introdução imediata de prótese submuscular. Existem vários tipos de próteses com texturas diversas, de volu- me fixo ou variável.

Se não, após a mastectomia é colocada uma prótese expansora, na qual é feito um enchimento com soro fisiológico, ao longo de semanas. O volume de expansão será superior ao volume final pretendido, de forma que, após a sua redução, os tecidos distendidos se aproximem dos da outra mama.

Decorridos dois a três meses, a prótese expansora é substituída por uma prótese definitiva. Actualmente, as mais usadas são as de silicone gel coesivo.

Os retalhos estão indicados e são a única solução quando a prótese não é necessária ou está contra-indicada. Uma cirurgia com retalhos mais pequenos da face anterior do tórax pode facilitar a cobertura de uma prótese. Outras cirurgias, mais morosas, podem fazer-se com retalhos da parede posterior do tórax (grande dorsal) ou do abdómen. O cirurgião pode efectuar o máximo no mesmo tempo cirúrgico mas, muitas vezes, são necessárias duas operações: uma grande cirurgia e retoques, daí a algum tempo.

“O número médio é de 2,8 cirurgias em cada mulher mastectomizada, ao fim de 10 anos. A primeira intervenção pode ter ficado bem e ao fim de uns anos a mama boa ter descaído, e a tratada não; ter aumentado ou diminuído, e haver a necessidade de retoques. Desta vez, pequenas ou médias intervenções, com anestesia local”, adianta o cirurgião José Rosa.

O grande dorsal proporciona um volume de tecidos com boa circulação que podem ser transpostos para a face anterior do tórax. Quando esse volume é insuficiente pode ser complementado com a introdução de uma prótese.

 

Já os tecidos do abdómen estão frequentemente disponíveis em volume suficiente para cobrir a área amputada e construir uma boa proeminência, dispensando o recurso à prótese. Segundo José Rosa, “é provavelmente o método mais praticado e o que pode dar melhores resultados estéticos finais”. Pode ser praticado logo a seguir à mastectomia ou um tempo depois. Está indicado em alguns casos em que o método das próteses ou dos expansores falhou.

Num número muito significativo de situações, contudo, a parede abdominal fica enfraquecida e abaulada e pode exigir reparação secundária, “o que constitui um dos principais inconvenientes do método”, reconhece o especialista em Cirurgia Plástica, Reconstrutiva e Estética.

 

 

Em qualquer dos métodos de reconstrução permanecerá uma cicatriz de 15 a 20 centímetros, por isso o cirurgião procurará que esta fique coincidente ou com a linha da parte de cima de um fato de banho ou, se for na barriga, com a linha dos calções do biquini. O mesmo acontecerá se os tecidos forem retirados da nádega.

O cirurgião plástico pode actuar na mama boa para a equilibrar com a outra, aplicando procedimentos da cirurgia estética à cirurgia reconstrutiva. Mas é impossível, com os métodos actualmente conhecidos, obter uma igual à outra. Por isso, quando a diferença é grande, é efectuada uma mamaplastia da mama sã. Sobretudo quando esta é muito volumosa e descaída.
 

São vários os métodos utilizados na reconstrução da aréola e do mamilo. A aréola pode ser reconstruída com parte da aréola do lado oposto, sob a forma de enxerto, e serem aplicados pigmentos, como numa tatuagem. A sensibilidade da pele fica bastante diminuída e o mamilo deixa de ser um órgão eréctil. No entanto, a capacidade de sentir prazer através do toque nunca desaparece.

 

 

PREVENÇÃO
Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas que pode invadir os tecidos vizinhos e disseminar-se (metastizar) para outros órgãos do corpo. Na fase inicial, o cancro da mama pode ser tratado antes que se espalhe, quando as hipóteses de cura são maiores, os tratamentos menos agressivos e não mutilantes. A realização do auto-exame é fundamental para detectar o cancro da mama. Os principais sinais de alerta são a retracção do mamilo, a mama vermelha e a existência de nódulos palpáveis.

PÓS-OPERATÓRIO
Quando a reconstrução mamária foi introduzida em Portugal, no início da década de 80, a qualidade da técnica era muito semelhante à actual. No entanto, apenas 1 a 2% das mulheres que tinham feito uma mastectomia é que tinham a possibilidade de a realizar, além de implicar longos internamentos. Actualmente, se a paciente tiver um emprego fisicamente exigente, poderá ir trabalhar ao fim de um mês. Se não, voltará ao activo em sete dias.

 

COMPLICAÇÕES POSSÍVEIS
O plano global de tratamento deverá ser ponderado e explicado às pacientes, com indicação dos riscos, tempo de abstenção laboral e custos. De modo realista, para que não se criem falsas expectativas.
“A cirurgia reconstrutiva da mama contribui para melhorar a auto-imagem da mulher, mas podem ocorrer complicações como em qualquer outra cirurgia. Desde hematomas ou hemorragias – as mais comuns –, reacções imprevistas a anestésicos, enfarte de miocárdio, reacções inflamatórias nos tecidos ou a rejeição dos implantes. Estas complicações existem, mas são raras”, aponta José Rosa.
O risco tromboembólico existe sobretudo na cirurgia de retalho abdominal. Mas, de acordo com a Associação Americana de Cirurgia Plástica, com base em 26 562 plastias abdominais efectuadas por 935 cirurgiões plásticos, 2% foram complicações graves e destes apenas 11 casos (0,04%) foram mortais.
Algumas mulheres passam a ter dor crónica nas costas e/ou peito, quer as que foram submetidas a radioterapia quer as que procederam a reconstrução com prótese. Contudo, 1% a 2% sentem mais dor após a colocação da prótese e pode-se colocar a hipótese desta ser retirada.

 

in Máxima

 

____________________

è melhor ir lendo umas coisinhas...para não ter grandes surpresas..

 

Postado por Isa às 09:39
link do post | comentar | favorito
| | partilhar
4 comentários:
De loulou a 20 de Maio de 2008 às 11:27
Isa, muito bom esse artigo.
O cirurgião plástico que fala para o artigo, o Dr. José Rosa, é o meu cirurgião plástico no IPO. É um médico com uma larga experiência, professor universitário.
Espero que esteja para breve a tua reconstrução...

Beijocas grandes
De laura a 20 de Maio de 2008 às 14:40
****+

Boneca Linda,

Como vai esse Alentejo? Quem me dera passar por aí.

Há imensas coisas giras, e diferentes para nós, minhotas verdejantes...
Mas o patrão é que manda...

Beijocas querida,
laura
De Isa a 21 de Maio de 2008 às 09:40
e o patrão, não manda dar uma voltinha pelo alentejo, n sabe o que perde...beijos laura
De ALEXIA a 12 de Novembro de 2016 às 18:38

Tudo graças ao th melhor herbalist no mundo, eu te digo que tem estado procurando a melhor maneira de obter
um grande e nádegas bem ter uma boa forma para os passados dois anos. Eu tentei tantas coisas
i ter ido ao ginásio para ver se eu posso obter esta boa curva, eu tenho feito exercícios de corpo diferente para dois
years.Just na semana passada me deparei com este grande herbalista conhecido como Dr. Zubia que em apenas duas semanas mudou
me. Agora eu tenho uma boa forma corporal e estou muito feliz, eu quero usar este privilégio de contar todos aqueles que
estão buscando a mesma solução para se conectar com o melhor herbalist em zubiazabiadum@yahoo.com eu sei que ele pode
ook Aumentar o tamanho das nádegas e na base da mama em suas necessidades. (zubiazabiadum@yahoo.com)

Comentar post

.As minhas fotos - Alentejo

.Eu

.Contacto

isabelguerreiro@net.sapo.pt

.links

.posts recentes

. Até sempre...

. Seis recomendações para e...

. Oncologia no Alentejo

. Serpa: Rastreio Cancro da...

. O ultimo

. Venha Correr ou Andar por...

. 4 anos daminha reconstruç...

. "A batalha que nós não es...

. Uma historia de vida, nes...

. Um dia pela Vida...

.arquivos

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.favoritos

. Está a chegar o final do ...

. Tia Bia

. Novo passo no tratamento ...

. Avó Nena

. Tia Bia

. Amor

. Mãe

. Pai

. Manas

. Obrigado

.Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.pesquisar

 
Todos os artigos e matérias publicadas neste blog, bem como as informações sobre procedimentos de exames e diagnósticos aqui inseridos, têm carácter estritamente informativo e não devem ser utilizadas de forma alguma para a realização de auto-diagnóstico, auto-tratamento e ou auto-medicação. Em caso de dúvidas, consulte o seu médico.

.últ. comentários

As lojas Ortopédicas da Universo Senior no Colombo...
Tudo graças ao th melhor herbalist no mundo, eu te...
boa tarde, tenho uma amiga que acho que vai fazer ...
O seu blog e muito interessante com muitos conteud...
Tambem quis comprar e nao achei! A editora ja nao ...
Obrigado pela informação publicada :-)Bem-hajaJN
Prima, fiquei emocionada com o teu testemunho.Semp...
Olá, boa noite descobri o vosso blog por acaso,mas...
Excelente informaçao . Tenta neste site que os adv...
OláEncontrei por acaso o seu blog.Tive uma experiê...

.mais comentados

44 comentários
28 comentários
25 comentários
24 comentários
23 comentários

.Visitas

.tags

. todas as tags