"Sair de um blog sem comentar é como visitar alguém e ir embora sem se despedir..."
Quarta-feira, 18 de Março de 2009

Problemas comuns dos seios: Tire essa preocupação do peito

À menor anomalia nos seios qualquer mulher receia o pior. Mas antes dos 50 anos a maior parte dos problemas são benignos.
 

Como todo o aparelho genital, os seios estão na dependência dos ovários que segregam as hormonas femininas. É precisamente por isso que as dores e os caroços no seio se devem na maior parte dos casos a um desequilíbrio entre as principais hormonas sexuais, o estradiol, a progesterona e a prolactina.

O estradiol faz crescer a glândula mamária e participa no desenvolvimento dos canais que produzem o leite. Quando está desequilibrado, pode ficar-se com os seios inchados em fim de ciclo.

A progesterona actua em colaboração com a anterior, opondo-se ou atenuando a sua acção sobre a multiplicação das células. Protege, assim, de algumas doenças dos seios.

A prolactina, hormona da lactação, é segregada em permanência, mas a sua produção aumenta durante a gravidez e o aleitamento. Se o seu nível é muito grande, pode ser responsável por um inchaço.

Desta maneira, quando alguma destas hormonas entra em desequilíbrio, sobretudo o estradiol e a progesterona, os seios acusam a situação. Ao princípio provocam dores, depois podem apresentar certas patologias. Nada de inquietante: antes dos cinquenta anos são raramente sinónimos de cancro e qualquer ginecologista será capaz de reequilibrar o clima hormonal.


Quando ir ao médico?

A consulta médica deverá ser procurada sempre que a dor dure mais de 5 dias por mês, seja recente ou apareça quando se toma a pílula ou se está a fazer um tratamento hormonal de substituição. Quando se sente um caroço deverá igualmente recorrer-se a um especialista, assim como em caso de corrimento, sobretudo se for sanguíneo.

Existem ainda outras situações em que a prudência obriga a uma avaliação da situação por parte de um clínico. É o caso do aparecimento de uma região endurecida, principalmente na parte superior do seio. Em caso de abcesso, principalmente se for quente, encarniçado e provoque dores. Nesta última situação, a consulta deve ser de urgência porque os tratamentos são activos se o abcesso for atacado a tempo. Nos outros casos, pode-se esperar entre 15 dias a um mês para actuar.
 

DORES INDICAM DESEQUILÍBRIO HORMONAL

As dores constituem o motivo mais frequente da consulta ao médico, principalmente entre os 15 e os 20 anos, a partir dos 40 e quando se toma a pílula. Na maior parte das vezes, a dor é tolerável, mas certas mulheres sofrem tanto que não conseguem dormir sobre o ventre, nem suportar o soutien ou uma carícia.

Esta situação ocorre principalmente ao fim do dia quando as dores são mais intensas, e na aproximação das regras cuja chegada é olhada como um alívio. Por vezes os seios aumentam muito de volume. As dores são, sem dúvida, sinal de um desequilíbrio hormonal.

O diagnóstico

O diagnóstico passa por um interrogatório sobre o momento da aparição das dores, o facto de se referirem a um ou aos dois seios, a maneira como são aliviadas ou não pelas regras. Ao mesmo tempo, o ginecologista fará um exame minucioso em busca de um caroço, do aumento da rede venosa, da emissão de um calor particular ou da presença de uma mastose (região endurecida).
Convém, no entanto, esclarecer que a dor nunca é sinal de cancro. Uma mamografia só se mostrará necessária para mulheres com mais de 40 anos.

O tratamento

Depende da importância das dores e da idade. Dor moderada numa mulher com menos de 35 anos pode, em geral, ser acalmada com uma aplicação de progesterona sobre os seios. Esta molécula contrabalança a acção dos estrogénios responsáveis pelo edema. Deve ser aplicado durante todos os dias do ciclo, até mesmo durante as regras.

Se isto não se mostrar suficiente, pode-se associar um progestativo de síntese, a tomar durante 10 dias por mês para compensar a falta de progesterona. Se as dores se mantiverem, resta tomar um comprimido com uma forte dose de progestativo para bloquear a produção do estradiol responsável por estas dores.

As dores desaparecem dentro de alguns dias, com uma única excepção: as que são provocadas por uma doença das costas ou um excesso de peso, que o ginecologista não terá noticiado porque não são aliviadas com as regras. Nestes caso, as dores só desaparecerão com tratamentos às costas e a perda de peso.
 

 

UM LÍQUIDO QUE ESCORRE

Pode verificar-se um corrimento por um poro do mamilo ou por vários poros dos dois mamilos.Os escorrimentos por vários poros são mais frequentes, sobretudo entre as mulheres que já tiveram filhos, tenham sido ou não elas a aleitá-los.

Mas estes corrimentos podem também ser sinal de um desregulamento da hipófise que segrega prolactina em excesso. Também certos medicamentos, como os antidepressivos, os soníferos, e outros usados contra as náuseas, provocam, por vezes, esses corrimentos.

Na outra situação, os corrimentos através de um único poro ocorrem por vezes nas adolescentes, mas mais frequentemente nas mulheres de trinta anos. Por vezes, é um caso sério: o corrimento pode ser sinal de um tumor maligno localizado no interior de um canal galactóforo.

Diagnóstico

A elaboração do diagnóstico para as situações de corrimento através de vários poros dos dois mamilos passa por um interrogatório para investigar, por exemplo, a tomada de qualquer medicamento. Depois, se o corrimento se assemelha a leite, o ginecologista prescreverá um doseamento de prolactina associado a scanner com o objectivo de explorar a hipófise. Não há que se inquietar com esta multiplicação de meios: é a única maneira de explorar esta pequena glândula.

No caso de o corrimento se verificar através de um único poro de um só mamilo, o diagnóstico exige uma recolha do líquido e a sua análise em laboratório de anatomopatologia. Paralelamente, é necessário fazer dois outros exames: uma mamografia e uma galactografia. A galactografia é uma radiografia do canal galactóforo para procurar um eventual tumor.

É importante lembrar que, em 5 por cento dos casos, se detecta um tumor maligno. Mas, na maioria das situações, o corrimento é provocado pela dilatação do canal.

O tratamento

O tratamento dos corrimentos através de vários poros depende, naturalmente, da causa. Se o responsável for um medicamento, há que substituí-lo por outro de uma classe terapêutica diferente. Se se trata de um excesso de prolactina, certos médicos aconselham a bromocriptina para bloquear a secreção de prolactina. Se os corrimentos ocorrem num só seio, pode pensar-se numa intervenção cirúrgica para corrigir uma eventual dilatação dos canais galactóforos.

Quando o corrimento ocorre através de um só poro, o tratamento pode variar, mas faz-se sobretudo com recurso a processos cirúrgicos. Se um tumor for encontrado, é preciso retirá-lo, mesmo que seja benigno. E se o canal galactóforo estiver dilatado, é necessário praticar a ablação de todo o tecido circundante. É, de resto, um gesto sem consequências.
 

 

SINTO UMA BOLA

Há-as de duas espécies: os fibro-adenomas que se manifestam antes dos 25 anos e os quistos que aparecem, na maior parte dos casos, após os trinta anos.

Os fibro-adenomas são massas formadas por uma mistura dos tecidos que comportam os seios. Quando apalpados, deslizam sob a mão e, por vezes, aumentam de volume antes das regras, diminuindo logo em seguida. Na maior parte dos casos, existem vários ao mesmo tempo. As suas dimensões variam.

Mesmo quando pequenos, são fáceis de descobrir apalpando os seios e é melhor uma consulta médica, pois, por vezes, são um pouco sensíveis. De qualquer maneira, nunca evoluem para o cancro.

Diagnóstico

Depende da idade. Antes dos 30 anos, associa um interrogatório, exame clínico e, eventualmente, uma ecografia. Em casos mais inquietantes pode ser necessária uma punção do conteúdo.
Após os 30 anos, o médico aconselhará, além destes exames, uma mamografia.

Tratamento

Varia segundo as equipas médicas.
Seja como for, pode começar-se pelos medicamentos: progestivos de síntese fortemente doseados a tomar 17 a 20 dias por mês. Actuam interrompendo a acção do estradiol sobre a glândula mamária e são igualmente contraceptivos. Na maioria dos casos, a bola diminui de tamanho, mais ou menos de acordo com os tecidos de que é composta.

Se se actua cedo, a diminuição pode ser considerável. E se não se pretende tomar medicamentos, resta a solução da cirurgia, praticada na maior parte dos casos com anestesia geral. De acordo com a localização, consiste em retirar a bola, passando pela borda da auréola ou pela face externa do seio. Existe, no entanto um inconveniente: como a causa não foi tratada, o fibro-adenoma pode reaparecer, o que exige o regresso ao tratamento hormonal.
 

TEREI UM QUISTO?

Os quistos formam uma bola um pouco tensa que se pode apertar com o toque uma vez que se tratam de cavidades cheias de líquido. São a consequência de uma dilatação de um segmento do canal galactoforo comprimido pelos tecidos vizinhos ou por uma fibrose provocada por um desequilíbrio hormonal que surge todos os meses. É uma situação muito dolorosa.

Um quisto pode ser único. Mas, na maior parte dos casos, surge um grande associado a outros mais pequenos. Pode também ser isolado ou associado a uma mastose (endurecimento) dolorosa antes das regras. Os quistos são muito frequentes na pré-menopausa, um período de desequilíbrio hormonal. Convém não esquecer que a presença de um quisto pode aumentar o risco de cancro do seio.

Diagnóstico

É feito pela palpação. O ginecologista prescreve também uma mamografia, até mesmo uma ecografia destinada a contar o número de quistos e a identificá-los capazmente. Ao mesmo tempo, na maior parte dos casos, o médico faz uma punção nos quistos de maiores proporções para aliviar a paciente e poder enviar o líquido para o laboratório de anatomopatologia. É importante saber que se o líquido se apresenta acastanhado, não é um sinal de gravidade.

Tratamento

A punção do quisto não é suficiente. É necessário tratar a doença de fundo com o auxílio de progestativos que têm uma função de contraceptivo e que devem ser tomados 18 a 20 dias por mês para fazer descansar o aparelho genital. Este tratamento é geralmente suficiente para fazer desaparecer os sintomas.

Se entretanto se quiser ter um filho, pode-se interromper o tratamento, mas não por muito tempo. Existem várias famílias de progestativos. Os chamados noresteróides dão bons resultados em 85 por cento dos casos, mas por vezes com custos de efeitos indesejáveis: aumento de peso, acne. São contra-indicados em caso de diabetes e de hipertensão. Resta então a solução de produtos menos doseados cuja acção é mais lenta.

Por último, se um quisto é refractário ao tratamento médico e volta a surgir na mesma zona é necessário extraí-lo porque pode favorecer a aparição de um cancro.

E SE FOR UM ABCESSO

Tudo começa por umas manchas encarnadas, tensões e dores significativas, sinais de inflamação ou de linfangite. Na maior parte dos casos, o abcesso situa-se em volta da auréola, junto do mamilo. São frequentes após o parto, quando se está a aleitar, pois os canais galactóforos estão abertos e certos germes da pele podem ali penetrar.
As fumadoras contraem abcessos mais facilmente sem que saiba porquê.

Diagnóstico

Na maior parte dos casos é evidente, mas passados os 40 anos pode significar um tumor maligno. Em caso de dúvida, uma ecografia e uma mamografia tornam-se necessárias.

Tratamento

Depende do estágio em que o doente se dirige ao médico. Um abcesso atacado a tempo trata-se, na maior parte dos casos, com antibióticos e anti-inflamatórios tomados durante uns quinze dias.

Isto evita a constituição do abcesso e leva, quase sempre, à cura definitiva. Ao fim de quatro dias já não se sentem dores. Se os medicamentos são ineficazes ou se o abcesso já está formado, torna-se necessário fazer uma incisão para lhe extrair o conteúdo.
Também neste caso a cura é quase sempre definitiva.

Contudo, doenças inflamatórias e abcessos cuja causa se ignora podem voltar a surgir após terem sido retirados cirurgicamente. Alguns são operados 4 a 5 vezes e, em caso de recidiva, a ablação do seio pode tornar-se necessária.

Para evitar esta situação está em avaliação um tratamento que associa a cortisona e certos antibióticas em doses altas. Mas este tipo de tratamento encontra-se ainda numa fase de desenvolvimento.
 

EXAMES CLÁSSICOS

Existem quatro métodos diferentes para examinar os seios. Alguns podem ser usados complementarmente, cabendo ao médico especialista a decisão sobre a necessidade da sua realização.

- A MAMOGRAFIA permite ver a estrutura dos seios. É sobretudo fiável a partir dos 50 anos, porque anteriormente os seios são tão densos que se tornam difíceis de decifrar. Esclarece sobre as causas da dor e permite verificar se uma calcificação ou um caroço são benignos ou malignos.

- A ECOGRAFIA permite verificar se um caroço é sólido ou líquido. Mostrando os quistos com precisão, é insubstituível nas mulheres jovens, até mesmo no caso de um caroço escondido por uma placa de mastose.

- A PUNÇÃO permite precisar o conteúdo de um caroço. Pode ser feita no gabinete médico ou durante a ecografia. No gabinete médico, se o conteúdo é líquido será aspirado e enviado depois para um anatomopatologista. Se é sólido, extraem-se algumas células para análise. Em qualquer dos casos, a intervenção não é mais dolorosa do que uma injecção intramuscular. A punção eco-orientada determina com precisão a natureza do caroço assinalado pela ecografia.

- A GALACTOGRAFIA é prescrita quando o líquido corre através de um único poro. Injecta-se um produto de contraste para opacificar o canal galactóforo e verificar a eventual presença de um tumor benigno ou maligno. O exame pode ser um pouco desagradável, mas a dor é fugaz.

PÍLULA E DORES: CUIDADO!

Quando se toma a pílula não é normal ter dores nos seios durante mais de três ou quatro dias antes das regras.
Quando se verifica uma situação diferente torna-se necessário recorrer a um especialista. Se a pílula escolhida não é a mais conveniente, pode, com o passar do tempo, produzir-se um desequilíbrio hormonal que pode favorecer um doença dos seios benigna, ou até mesmo maligna. Para evitar este risco, é necessário mudar de pílula ou associar um tratamento à base de progesterona destinado a contrabalançar o efeito dos estrogénios, o que conduzirá à desaparição da dor.

 

 

A responsabilidade editorial e científica desta informação é da

 

 

Farmácia Saúde

 

 

____________________

No meu caso, depois de duas coteveladas na mama no espaço de 8 dias, comecei a ter um corrimento do mamilo, quase despercebido...mas que foi o sinal de alerta....

Postado por Isa às 14:53
link do post | comentar | favorito
| | partilhar
4 comentários:
De Nela a 18 de Março de 2009 às 15:21
Excelente post...! Vou publicar no meu blog.
Obrigada, Isa.
Beijinhos
De Alda. a 19 de Março de 2009 às 09:28
Olá Isa,
Estás sempre atenta à imformação! Bom poste!
Isa, coloca o nosso postal do teatro nos teus blogues quanto mais divulgação melhor!
Beijokas
De Isa a 19 de Março de 2009 às 15:07
ontem não tive tempo para vir a net, ja coloquei.e vou por no sapo fotos, para fazer ainda mais publicidade.
beijinhos
De Tina a 19 de Janeiro de 2010 às 18:38
Gostei imenso do que li no Vosso Blog. Parabéns!

Comentar post

.As minhas fotos - Alentejo

.Eu

.Contacto

isabelguerreiro@net.sapo.pt

.links

.posts recentes

. Até sempre...

. Seis recomendações para e...

. Oncologia no Alentejo

. Serpa: Rastreio Cancro da...

. O ultimo

. Venha Correr ou Andar por...

. 4 anos daminha reconstruç...

. "A batalha que nós não es...

. Uma historia de vida, nes...

. Um dia pela Vida...

.arquivos

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.favoritos

. Está a chegar o final do ...

. Tia Bia

. Novo passo no tratamento ...

. Avó Nena

. Tia Bia

. Amor

. Mãe

. Pai

. Manas

. Obrigado

.Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.pesquisar

 
Todos os artigos e matérias publicadas neste blog, bem como as informações sobre procedimentos de exames e diagnósticos aqui inseridos, têm carácter estritamente informativo e não devem ser utilizadas de forma alguma para a realização de auto-diagnóstico, auto-tratamento e ou auto-medicação. Em caso de dúvidas, consulte o seu médico.

.últ. comentários

As lojas Ortopédicas da Universo Senior no Colombo...
Tudo graças ao th melhor herbalist no mundo, eu te...
boa tarde, tenho uma amiga que acho que vai fazer ...
O seu blog e muito interessante com muitos conteud...
Tambem quis comprar e nao achei! A editora ja nao ...
Obrigado pela informação publicada :-)Bem-hajaJN
Prima, fiquei emocionada com o teu testemunho.Semp...
Olá, boa noite descobri o vosso blog por acaso,mas...
Excelente informaçao . Tenta neste site que os adv...
OláEncontrei por acaso o seu blog.Tive uma experiê...

.mais comentados

44 comentários
28 comentários
25 comentários
24 comentários
23 comentários

.Visitas

.tags

. todas as tags