"Sair de um blog sem comentar é como visitar alguém e ir embora sem se despedir..."
Segunda-feira, 1 de Junho de 2009

Enfermeiros oncológicos sem meios

O diagnóstico está traçado há algum tempo: os doentes oncológicos vão ser cada vez mais e vão viver até mais tarde. Em consequência, os cuidados paliativos serão cada vez mais importantes. Mas serão os hospitais a dar resposta prioritária a esta realidade? Para a Associação de Enfermagem Oncológica Portuguesa (AEOP), a resposta é negativa. Os profissionais de saúde devem acompanhar os pacientes em casa e colocar o centro dos tratamentos na rede familiar.


No entanto, os meios instalados no terreno são ainda muito rudimentares. "Temos muito que trabalhar nesse campo e os recursos são diminutos. O trabalho com doentes oncológicos requer uma grande humanização e o espaço familiar é privilegiado", disse ao CM Jorge Freitas, presidente da AEOP, abordando um dos temas centrais da discussão da segunda reunião nacional que se realizou recentemente em Vila Nova de Gaia. "Este é um dos maiores desafios da classe", acrescentou.

 

A ideia é partilhada pela enfermeira Lília Castro, há muitos anos a trabalhar no IPO Porto e com larga experiência em trabalho domiciliário. "São necessárias equipas multidisciplinares que façam o acompanhamento em casa dos doentes. É fundamental ir até às pessoas e mostrar-lhes como é que se faz o curativo, como se vira uma pessoa na cama e como se ministra uma injecção. São coisas que é preciso fazer com o familiar", explicou.

 

A enfermeira recordou uma história que demonstra o estado precário deste processo. "Um dos nossos doentes tinha a mulher a trabalhar fora e eram os dois filhos, de 11 e seis anos, que cuidavam dele. O mais velho não ia muitas vezes à escola para estar com o pai, que tinha medo de estar sozinho. Não havendo solução na comunidade, acabou internado."

 

O IPO tem apenas uma equipa que acompanha as famílias em casa. "Ainda vamos muito ao domicílio, mas a ideia é formar os enfermeiros dos centros de saúde que podem descentralizar o serviço", referiu a enfermeira.

 

Outra questão a melhorar é a especialização de enfermeiros oncológicos. "Existem nos IPO e nas unidades hospitalares com serviços oncológicos, mas faltam ao nível dos centros de saúde, onde é preciso apostar", acrescentou Lília Castro. Para Jorge Freitas, a especificidade da função assim o exige. "Pela necessidade de conhecimento das técnicas, bem como pela constante alteração das drogas a ministrar."

 

LIGAÇÃO ENTRE SERVIÇOS

 

Porque nem todos os doentes oncológicos têm um IPO ou um hospital à porta de casa, é fundamental que a rede de cuidados se estenda, como tem acontecido, aos centros de saúde. É aí que o tratamento dos doentes pode ser mais alargado e efectivo. Mas para tal é preciso que a rede funcione.

"A partilha de informação é fundamental e para isso os doentes deviam ter através dos sistemas informáticos uma ficha única. Só assim seria possível", disse Jorge Freitas.

 

 

 

"APOIO ÀS FAMÍLIAS AINDA É DIMINUTO" (Conceição Megano, Enfermeira e familiar de doentes)

 

Correio da Manhã – O que representa a experiência de ver um familiar sofrer de cancro?

Conceição Megano – O primeiro caso que vivi em família foi há 12 anos com a minha mãe, que veio a falecer. Dos meus 16 irmãos, três já morreram, igualmente da doença, e tenho uma sobrinha a passar pelo mesmo. A experiência com a minha mãe, por ser a primeira, deu-nos força, para, enquanto família, suportarmos o que se seguiu. Uniu-nos muito e obrigava-nos a um grande esforço de multiplicação para podermos estar sempre com ela.

– É um quadro muito negro?

– É verdade, mas eu também já ultrapassei um cancro. Posso dizer que me sinto uma privilegiada por todas estas situações, até porque vivi e partilhei experiências muito profundas.

– O que é que foi mais difícil de ultrapassar?

– Ver alguém que nos é próximo a passar pela experiência não é fácil. Foi muito duro ver a minha mãe daquela forma. Com os meus irmãos revezávamo-nos a cuidar dela, mas não foi fácil. Por acaso tinha a facilidade de ser enfermeira e assim estar mais preparada para lidar com a situação.

– Das experiências por que passou, onde é que acha que o sistema falha?

– Apesar de as coisas estarem melhores, a verdade é que o apoio psicológico às famílias ainda é diminuto. É importante esse apoio, até porque nem todos respondem da mesma forma. Alguns dos meus irmãos ficaram revoltados.

 

 

PORMENORES

 

VOLUNTARIADO

Para ser voluntário na Liga Portuguesa Contra o Cancro é preciso ter mais de 18 anos; comparecer a entrevistas de avaliação de disponibilidade e motivações; frequentar um curso de formação promovido pela LPCC (no caso da candidatura ser aceite) e estagiar durante um período de tempo variável.

 

5171 DOENTES

No IPO do Porto foram observados, em 2006, 5171 pacientes. Os tumores mais comuns foram o da mama (828), próstata (693), recto (387), estômago (334) e traqueia, brônquios e pulmão (313). Foram assistidos mais homens (2731) do que mulheres (2440).

 

CRESCIMENTO

Entre 2001 e 2007 o número de casos de cancro registados nos hospitais e centros de saúde do Sul do País (que engloba Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo, Algarve e Madeira) aumentou 5%, atingindo um total de 19 300 numa população de 4,5 milhões.

SOCIEDADE CIVIL

A enfermeira Lília Castro reforça a necessidade de um maior empenhamento da sociedade civil nesta área de apoio às famílias. É cada vez mais fundamental, numa altura em que "há uma maior desresponsabilização por parte dos filhos nestas situações".

 

O MEU CASO: "VIVEMOS AS 24 HORAS MUITO INTENSAMENTE" (Ivo Moreira)

Para quem aos 17 anos tem uma inflamação na garganta, a última coisa que lhe passa pela cabeça é que um cancro possa estar a tomar conta do seu corpo. Com Ivo Moreira não foi assim. Após os exames de diagnóstico veio a confirmação: tinha um linfoma de Burkitt (cujo tratamento é muito parecido ao da leucemia). Para um jovem, activo e futebolista na época, representou uma reviravolta brutal na sua vida.

"É uma altura complicada, em que tudo é vivido a toda a velocidade, sem tempo para parar. Quando se recebe uma notícia destas, e em 1997 havia pouca informação sobre cancro, as expectativas são sempre as piores", diz Ivo, agora bombeiro e socorrista. A experiência fez com que quisesse viver no limite e as 24 horas do dia, muitas vezes, são poucas para fazer tudo o que quer. Recentemente, começou a tirar o curso de Psicologia.

"Apesar de algumas picadas na coluna – as punções lombares–, que eram muito dolorosas, o meu caso foi de sucesso, até porque tive uma remissão muito boa", explica Ivo.

Dos muitos meses de internamento no IPO do Porto, faz uma analogia que é reveladora. "É como o ‘Big Brother’. Vivemos as 24 horas muito intensamente. Houve amizades que ficaram, mas infelizmente houve muita gente que morreu", afirma, pesaroso.

Actualmente, olhando para a experiência por que passou, identifica os ensinamentos que se advinham. "Passei a dar outro valor à vida e fez-me crescer como pessoa", lembra.

Marcante, na altura da doença, foi também a morte da avó com quem viveu até aos seis anos. Maria Antónia, com 65 anos, fez a promessa de ir a pé até Santa Rita, caso o neto encontrasse a cura. Ao fazê-lo, acabou atropelada no caminho e morreu. "Foi traumático", recorda Ivo.

 

PERFIL

Ivo Moreira, de 29 anos, natural de Lousada, viveu na adolescência a época mais marcante da sua vida. Um linfoma atirou-o para os corredores dos serviços de Oncologia. Uma experiência que lhe deu a força para viver a vida no limite.

 

NOTAS

 

POUPAR DINHEIRO

Jorge Freitas, líder da AEOP, defende que a partilha de informação pouparia dinheiro em tratamentos.

 

SEGUNDA REUNIÃO DA AEOP

Decorreu nos passados dias 22 e 23 Maio a 2.ª reunião da AEOP com 200 congressistas.

 

MAIS RADIOTERAPIA

O programa nacional para as doenças oncológicas quer aumentar de 30 para 64 as unidades com Radioterapia.

 

Postado por Isa às 09:00
link do post | comentar | favorito
| | partilhar

.As minhas fotos - Alentejo

.Eu

.Contacto

isabelguerreiro@net.sapo.pt

.links

.posts recentes

. Até sempre...

. Seis recomendações para e...

. Oncologia no Alentejo

. Serpa: Rastreio Cancro da...

. O ultimo

. Venha Correr ou Andar por...

. 4 anos daminha reconstruç...

. "A batalha que nós não es...

. Uma historia de vida, nes...

. Um dia pela Vida...

.arquivos

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.favoritos

. Está a chegar o final do ...

. Tia Bia

. Novo passo no tratamento ...

. Avó Nena

. Tia Bia

. Amor

. Mãe

. Pai

. Manas

. Obrigado

.Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.pesquisar

 
Todos os artigos e matérias publicadas neste blog, bem como as informações sobre procedimentos de exames e diagnósticos aqui inseridos, têm carácter estritamente informativo e não devem ser utilizadas de forma alguma para a realização de auto-diagnóstico, auto-tratamento e ou auto-medicação. Em caso de dúvidas, consulte o seu médico.

.últ. comentários

As lojas Ortopédicas da Universo Senior no Colombo...
Tudo graças ao th melhor herbalist no mundo, eu te...
boa tarde, tenho uma amiga que acho que vai fazer ...
O seu blog e muito interessante com muitos conteud...
Tambem quis comprar e nao achei! A editora ja nao ...
Obrigado pela informação publicada :-)Bem-hajaJN
Prima, fiquei emocionada com o teu testemunho.Semp...
Olá, boa noite descobri o vosso blog por acaso,mas...
Excelente informaçao . Tenta neste site que os adv...
OláEncontrei por acaso o seu blog.Tive uma experiê...

.mais comentados

44 comentários
28 comentários
25 comentários
24 comentários
23 comentários

.Visitas

.tags

. todas as tags