"Sair de um blog sem comentar é como visitar alguém e ir embora sem se despedir..."
Sexta-feira, 9 de Outubro de 2009

A minha história no cancro da mama

 

 

 

Para quem tem chegado ao meu blog recentemente, e não conhece a minha história pelo cancro da mama, aqui fica o meu relato.

 

Tenham um bom fim-de-semana.

 

Estávamos em Novembro de 2005, quando me deram uma cotovelada na mama esquerda, doeu-me logo e ficou a incomodar-me, começou a fazer um empastamento que não gostei nada. Fui ao centro de saúde, mandaram-me fazer uma eco... ( para mandarem fazer mamografia, é preciso sei lá o quê) conclusão, não detectaram nada nessa eco, tomei antibiótico e não melhorou. Previa um cenário não muito bonito, voltei ao centro, disseram-me para fazer nova eco mas que pedisse para fazer com outra radiologista (o primeiro que me fez era novo na especialidade, azar o meu) com isto, já estávamos em Janeiro de 2006. Fui fazer a eco, e a Dr.ª disse que tinha que fazer mamografia, e combinamos ir dai a 8 dias ter com ela ao hospital. Estas esperas são sempre longas e ficamos muito ansiosas. Dia 5 de Janeiro fiz eco, mamo e disse que tinha que fazer biopsia, se queria fazer já ou daí a 8 dias, disse-lhe que queria já. Estava sozinha. Comecei logo a chorar. A tia que acompanhou o meu crescimento mais de perto, tinha falecido havia 6 anos, de cancro da mama, e estar a passar por isto, estava a fazer lembrar-me o sofrimento dela, e o facto de ela n ter conseguido vencer.
E para ajudar a este turbilhão de emoções,  uma das minhas melhores amigas, da minha idade, andava a fazer exames desde Agosto de 2005, desconfiada que tinha cancro da mama, e já tinha feito a biopsia, estava a espera do resultado.
A médica passou-me logo uma carta para o oncologista, pois viu logo o que aquilo ia dar, mas eu não quis ver, acho. Só dois dias antes da consulta é que vi que se chamava consulta de decisão. E ai vi que só podia ter cancro, porque se não, porque haviam de ir decidir alguma coisa...mas não contei a ninguém.
Dia 19 de Janeiro fui à consulta, muitas horas de espera, mas já não fui sozinha, levei a minha irmã mais velha.
Entrámos e o medico disse isto tão claro como a agua, a Isabel sabe porque esta aqui, a Isabel tem cancro da mama.

É esta a frase que tenho usado sempre...o mundo caiu-me em cima...

A minha irmã, que estava mesmo a pensar que aquilo tinha sido da cotovelada acho que ainda reagiu pior do que eu. Eu gritava que queria ter um filho e não um cancro, uma médica chorou...de emocionada que ficou, senti-me abandonada por quem eu achava que me protegia lá do alto (minha tia e minha avó falecidas em 1999 e 2003, hoje sei que nunca me faltaram).
Depois de chorar disse á equipa - quando falava socialmente se algum dia uma coisa destas me acontecesse dizia que não queria ser tratada e que durasse ate durar, hoje perante a doença e caindo na realidade não vejo as coisas assim, e claro que quero que me tratem o que há a fazer, vai-me cair o cabelo???? Vou ficar sem mama??? Foram as minhas preocupações.
E eles lá me disseram que sim,  que iria fazer 8 sessões de quimio depois operação e mais tarde rádio.
E para me dirigir ao laboratório para fazer analises que amanha dia 20 de Janeiro de 2006, iria começar a quimio.
Foi tudo muito rápido, de um momento para o outro passei de saudável, de uma pessoa cheia de vida, cheia de trabalho, a doente, doente oncológica.  Assusta...
Fui eu que contei aos meus amigos, familiares e nesse dia depois de chorar levantei a cabeça e disse para mim, vou conseguir, vou-me salvar deste maldito cancro, este não é o meu ponto final, é uma virgula, a vida continua.
Pensei em deixar o meu namorado, não queria que ele sofresse comigo, queria que ele continuasse com a vida dele, sem ter que assistir a isto tudo, mas quando lhe fui contar, as palavras dele as emoções e as atitudes fizeram-me mudar imediatamente de pensamento, ele seria a minha força, a minha garra à vida, prometi a mim mesma que teria que viver para o fazer muito feliz depois de me tratar.

Nesse mesmo dia 20 de Janeiro a minha amiga soube o resultado da biopsia, também ela tinha cancro da mama.

Fui a Fátima, rezei, coisa que antes de saber se tinha cancro da mama, ou não, não consegui fazer, foi estranho, mas nem no terço conseguia agarrar.

E como se espera nos tratamentos, fiquei sem cabelo, engordei, fiquei pálida, sem pelos, tive enjoos, má disposições, dores nas costas, dores nas pernas, febres, aftas, as unhas escuras, a pele seca, irritabilidade, não tinha paciência, muito sensível.

Mas Graças a Deus, correu sempre tudo nos tempos, nunca falhei um tratamento, alimentava-me bem, só não tinha apetite nos dias dos tratamentos.
Fiquei de baixa, mas depois achei que em casa, estava pior, tinha tempo para pensar, e tinha era que estar ocupada, perdi o sono, comecei a ficar dependente de comprimidos para dormir, isto depois de tentar descobrir qual o comprimido que fazia efeito, comecei a trabalhar e só faltava algum dia ou outro que não tivesse bem, o tratamento era a sexta, para ter o fim de semana para recuperar, mas as vezes os sintomas só apareciam lá para terça ou quarta, era ai que faltava, tinha que ser.

Custei a separar o cancro da morte, só me vinha a ideia que a minha querida tia, que eu tanto acompanhei tinha falecido de cancro, com o tempo fui conseguindo, fui conhecendo histórias de sucesso e isso deu-me muito alento.
A queda do cabelo custa, mas se pensarmos que são
4 a 6 meses da nossa vida...a coisa vai-se levando...
Coloquei logo a peruca, ficava bem diferente, mas não havia alternativa, nunca gostei de me ver com os lenços.
Tenho que confessar, que nem tudo foi mau, estava doente, mas tentei fazer a minha vida normal, não saia tanto, mas não me fechei em casa. Também fui feliz nesse tempo, não o posso negar.
Terminei a quimio em Junho, um dia depois de fazer 36 anos, agora era aguardar que me chamassem para a cirurgia.
Ainda tive uma consulta, e o medico perguntou-me se eu queria fazer mastectomia ou se preferia tirar só o nódulo que até tinha diminuído, correndo as consequências dos riscos que poderiam vir dessa decisão. E eu disse que havia 6 meses que me andava a preparar para a mastectomia e que queria fazer.
Fui de férias para
o Algarve, umas férias mais calmas que o costume, praia, só de longe, sem apanhar sol, um Agosto bem diferente dos outros todos.
Dia 6 chamaram-me para ser internada dia 9 e operada dia 10, e assim foi. 
Éramos
3 a ser operadas nesse dia, fui a última, a espera foi longa.
No dia a seguir o penso descolou e eu vi logo a minha cicatriz, não me fez tanta impressão, como pensava. Mas eu estava mutilada, estava diferente, era uma nova Isabel, era a Isabel que o cancro da mama tinha deixado e tinha que aprender a viver assim.
Não hesitei em mostrar ao Jorge, foi com a maior das naturalidades. Era eu na mesma, e foi isso que ele me disse.

Quando entrei para o hospital, o cabelo estava a começar a crescer, só lá estive 5 dias, mas o suficiente para já não usar a peruca, pois enquanto lá estive não a usei e depois até parecia que aquilo não tinha sido o meu cabelo nos últimos seis meses.

O cabelo estava mesmo muito curto, mas já não voltei a usar a prótese capilar, já que agora a prótese a usar tinha que teria que ser a da mama.
Dai a um mes mais ou menos fui chamada para a Rádio, ainda fiz fisioterapia, pois o braço estava muito preso.
Tive um mes e pouco em Carnaxide para fazer os 25 tratamentos de Radioterapia, tinha tratamento ao sábado e ao Domingo,  vinha a Beja à quarta e quinta, ou seja esses eram os meus dias livres, mas eu vinha logo a terça e ia para cima à sexta.
Terminei no dia que nasceu a minha sobrinha Rita, foi um prenúncio que estava livre, que tudo tinha acabado bem. Foi vida nova, isto em Outubro de 2006.

A minha amiga nesta altura também já estava safa do cancro da mama.
A partir dai, comecei com rotinas de 3 meses, uma das quais (Abril de 2007) me foi dito que iria começar a fazer um tratamento que seria bom para mim, não percebi muito bem, mas no dia D, lá fui ao hospital, fazia-se na sala de quimio, o que foi um pouco doloroso, parecia que estava a reviver tudo, mas depois as enfermeiras explicaram-me que o tratamento era de prevenção e que não iria ter os mesmos sintomas, embora tudo o resto fosse igual, 2 horas sentada nos cadeirões, mas só me provocava sono e fome. Por isso adquiri mais peso.

 

A par disto tive consultas de cirurgia de reconstrução, mas só poderia começar quando o tratamento acabasse, e tive muita sorte com as datas, porque assim que terminou os 18 tratamentos de herceptin que durou um ano, terminando em Abril de 2008, chamaram-me para fazer a primeira operação de reconstrução que acabou por acontecer em Julho de 2008.

No dia anterior tirei uma foto, para ficar de recordação, e foi nesse dia que tive consciência de como estava, nunca me senti diminuída como mulher por não ter uma mama, claro que as vezes ficava triste porque não podia vestir certas roupas, mas ao ver a foto no ecrã do Pc, parecia que não me estava a ver a mim, não me reconhecia, mas como já ia fazer a cirurgia no dia seguinte, não me afectou.

A operação de 7 horas, chamada de TRAM, correu bem, tive algumas dores ao acordar, mas que foram passando, tive internada 6 dias, estava desejosa de vir para casa, esta operação foi em Évora porque Beja não tem este serviço e sentia-me longe de casa.

Não dou de conselho às mulheres a fazerem a reconstrução, umas dizem que não querem sofrer mais, eu respeito, o que digo é que me sinto melhor assim, que valeu a pena a operação.

Casei ainda nesse ano em Outubro, não tinha o sonho de casar, mas depois de muito conversarmos achamos que tínhamos que ter uma data para festejar, para lembrar, para juntar a família e amigos, ter o nosso dia.

Fiz mais uma reconstrução em Abril de 2009, é o mal destas reconstruções, não é uma e já esta, são várias.

Esta é a minha história no cancro da mama, muito havia ainda para dizer, mas o que tento dizer e transmitir sempre, é que não podemos baixar os braços, o cancro também morre e que no processo e no caminho da nossa “cura”, podemos ser também felizes e proporcionar a nós mesmos momentos bons na nossa vida.

Um dia de tristeza é um dia que estamos a desperdiçar, e queremos tanto aumentar dias felizes à nossa vida.

Tenho conhecido gente fantástica, decepcionei-me com algumas pessoas, mas ganhei a amizade de outras, nem sempre as pessoas que achamos que podem ficar a nosso lado, ficam. Mas umas compensam as outras.

No decorrer deste tempo, perdi amigas, amigas e "colegas", é um sentimento de perda muito forte, que infelizmente temos que passar. Amigas que me ensinaram muito e me deram a conhecer tanta gente boa, às amigas do peito e Coração, o meu obrigada, tudo foi mais fácil e claro a partir do momento em que as conheci e começaram a fazer parte da minha vida.

O meu amor, os meus pais, irmãs, cunhados, sogros, sobrinhas, restante família e alguns bons amigos, foram e são muito importantes na minha vida e sei que posso sempre contar com eles.

E como sempre digo, nunca vou conseguir agradecer o que fizeram por mim. Obrigada mais uma vez.

Hoje sinto-me bem, e o que conta é o dia de hoje, sem pressa do amanhã. Continuo e continuarei com as rotinas dos exames das consultas e só peço a Deus que me ajude e que vá sempre tudo estando bem.

Agora, é viver a vida na plenitude, pensar mais no hoje, não adiar projectos, não me chatear com futilidades, dar importância ao que realmente é importante.

 

Porque, como se diz em Rosa Esperança, o melhor, o melhor ainda está para vir...

Postado por Isa às 15:59
link do post | comentar | favorito
| | partilhar
79 comentários:
De Visitante a 9 de Outubro de 2009 às 19:31
Alentejanita Bonita:

Comecei a chamar-te assim quando já tínhamos alguns meses de conhecimento nos blogs.

E  chamei-te assim porque és alentejana (claro!), és bonita, por fora e por dentro (eu sei que o tê Jorgiii não se importa que eu te dê este "elogio-quase-piropo"), mas sobretudo porque, debaixo dessa capa de mulher serena, tens uma força que move montanhas - e que te torna ainda mais bonita.

O teu testemunho é absolutamente tocante. Mas reflecte essa tua força, a mesma força com que venceste o "porco".

Foi com essa mesma força que conquistaste a minha amizade - e já não falo no respeito porque esse existe desde o princípio.

Aqueles e aquelas que te puseram de lado (e, infelizmente, por outros testemunhos que eu já vi, isso parece suceder com demasiada frequência...) podem lá ter os seus motivos... mas são pouco correctos e nada condizentes com o que deve ser a Amizade, pois esta vê-se sobretudo nas horas más.

As pessoas que tu necessitavas verdadeiramentre que estivessem ao teu lado, estavam lá. E isso é o que importa.

Um beijinho grande, com toda a forcinha, deste teu amigo, que por o ser se sente orgulhoso.

Rique




 
De Isa a 9 de Outubro de 2009 às 20:17

olá rique, obrigada por ndares sempre por aqui.
as pessoas que ficaram por o caminho, não é uma queixa é uma constatação, para tb nessa parte dar um testemunho de como acontece, para se perceber que é natural, normal, sem duvida que quem esteve a meu lado, foi quem fazia falta.
Não tenho ressentimentos.
Agora que dou valor a quem me ajudou, dou e muito. tem um bom fim de semana.

Comentar post

.As minhas fotos - Alentejo

.Eu

.Contacto

isabelguerreiro@net.sapo.pt

.links

.posts recentes

. Até sempre...

. Seis recomendações para e...

. Oncologia no Alentejo

. Serpa: Rastreio Cancro da...

. O ultimo

. Venha Correr ou Andar por...

. 4 anos daminha reconstruç...

. "A batalha que nós não es...

. Uma historia de vida, nes...

. Um dia pela Vida...

.arquivos

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.favoritos

. Está a chegar o final do ...

. Tia Bia

. Novo passo no tratamento ...

. Avó Nena

. Tia Bia

. Amor

. Mãe

. Pai

. Manas

. Obrigado

.Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.pesquisar

 
Todos os artigos e matérias publicadas neste blog, bem como as informações sobre procedimentos de exames e diagnósticos aqui inseridos, têm carácter estritamente informativo e não devem ser utilizadas de forma alguma para a realização de auto-diagnóstico, auto-tratamento e ou auto-medicação. Em caso de dúvidas, consulte o seu médico.

.últ. comentários

As lojas Ortopédicas da Universo Senior no Colombo...
Tudo graças ao th melhor herbalist no mundo, eu te...
boa tarde, tenho uma amiga que acho que vai fazer ...
O seu blog e muito interessante com muitos conteud...
Tambem quis comprar e nao achei! A editora ja nao ...
Obrigado pela informação publicada :-)Bem-hajaJN
Prima, fiquei emocionada com o teu testemunho.Semp...
Olá, boa noite descobri o vosso blog por acaso,mas...
Excelente informaçao . Tenta neste site que os adv...
OláEncontrei por acaso o seu blog.Tive uma experiê...

.mais comentados

44 comentários
28 comentários
25 comentários
24 comentários
23 comentários

.Visitas

.tags

. todas as tags