"Sair de um blog sem comentar é como visitar alguém e ir embora sem se despedir..."
Segunda-feira, 18 de Fevereiro de 2013

Teresa Brissos, vencer a leucemia na adolescência

Que belo exemplo... Parabéns Teresa, de longe também estive a torcer por ti.

 

Artigo: Teresa Brissos, vencer a leucemia na adolescência 

Postado por Isa às 12:04
link do post | comentar | favorito
| | partilhar

Uma historia feliz

Amor vence Cancro

Fonte: http://www.novagente.pt/b8183b1/mod_artigos_obj_moda.aspx?sid=f47f9ddd-ba79-4667-a14b-7a81d0334b88&cntx=KOwSpT5diIjmah7ResQBJz0DgPH8SnfZxpxZVNVOBLDGZbs5GVfVET8t5Tvdy6QQ
Postado por Isa às 09:39
link do post | comentar | favorito
| | partilhar
Quarta-feira, 13 de Fevereiro de 2013

Mãe depois dos 40

Divulgo um artigo interessante que encontrei na net . Eu fui mãe aos 40, depois de um cancro da mama aos 35. Há sempre bons conselhos para ler.

Ser mãe depois dos 40
Adiar a maternidade é cada vez mais comum.
Conheça os riscos

Atualmente, a decisão de ter um filho está dependente de múltiplos factores, bem diferentes daqueles enfrentados pelas gerações anteriores.

Hoje, estudar, entrar no mercado de trabalho e conseguir uma estabilidade profissional e económica, são prioridades que surgem muito antes de constituir uma família.

Mas será que existe uma idade ideal para engravidar? Conheça a opinião da obstetra Lisa Vicente, que esclarece todas as suas dúvidas e preconceitos relativamente à maternidade tardia.

O momento certo

«Não existe uma idade ideal para ter filhos», esclarece a obstetra. Para Lisa Vicente, apesar do pico de fertilidade das mulheres ser aos 25 anos, «ter filhos, atualmente, também tem de ser contextualizado na vida profissional, na capacidade e estabilidade socioeconómica do casal. Diria até que as pessoas podem não encontrar logo a pessoa ideal para ter filhos».

De acordo com dados do INE (Instituto Nacional de Estatística), em 2009 cerca de 20 por cento dos nascimentos ocorreu em mulheres com 35 ou mais anos, tendo vindo a registarse um aumento significativo ao longo dos anos. «Desde que seja planeada e desejada, tanto aos 18 como aos 42 anos a gravidez pode ser vivida de forma muito confortável», afirma a especialista.

Enfrentar desafios

É certo que, no que respeita a questões biológicas, «o ser humano foi feito para ter filhos mais cedo» e uma mulher que tente engravidar mais tarde, depois dos 30 ou depois dos 40 anos, corre mais riscos de ter «aborto espontâneo e alguma doença como a diabetes, obesidade e hipertensão, factores que podem complicar a gravidez», explica Lisa Vicente.

Ao longo dos anos aumenta também o risco de «alterações cromossómicas do feto (sobretudo a partir dos 35), como a trissomia 21, e que para a qual, hoje em dia, já temos formas de rastreio e até de diagnóstico», refere. Contudo, «existem mulheres que engravidam com toda a facilidade aos 38 anos, aos 40 e até aos 50», mas é preciso não esquecer que «é diferente ter 40 anos e ser saudável, magra e não fumadora, ter 40 anos, ser obesa, ter hipertensão e ser fumadora», sublinha Lisa Vicente.



Cuidados de saúde

Melhorar a alimentação, não ingerir bebidas alcóolicas, deixar de fumar e de usar drogas, reduzir os níveis de stress, tomar suplementos e proteger-se de perigos ambientais e profissionais.

Estes são alguns dos conselhos que Marilyn Glenville, nutricionista, descreve ao longo do seu livro, «Quero um bebé» (Estrela Polar), que permitem aumentar as probabilidades de engravidar.

Assim, para uma saúde ótima durante os meses de preparação para a gravidez, a autora aconselha a consumir gorduras essenciais.

Privilegie, por isso, a ingestão de nozes, sementes e peixes gordos, além de alimentos ricos em fibras (fruta, vegetais, leguminosas), hidratos de carbono e soja orgânica. Deve igualmente «eliminar o álcool e a cafeína (café, chá, refrigerantes, chocolate e medicamentos para as dores de cabeça que contenham cafeína), diminuir o consumo de gorduras saturadas (carne, ovos e lacticínios)». Apostar em alimentos de produção biológica é outra sugestão da autora.

Planear é preciso

Antes de mais, a mulher deve traçar um plano pré-concecional. «É importante consultar o médico de família e dizer que pretende engravidar», refere Lisa Vicente, pois existe um conjunto de exames que são necessários para saber se a pessoa é saudável, um check up médico que envolve observação clínica, medição da tensão arterial, análises à urina, glicemia, ureia, entre outros.

O plano inclui também, como refere a médica, «o rastreio a infeções, para saber se está imune ou não, uma citologia e outros exames que podem ser determinados pela situação clínica em particular», bem como uma mamografia. Se a pessoa tiver uma doença base, «é importante saber que medicamentos que está a tomar e programar a gravidez para um período de equilíbrio da doença», alerta.

Quando procurar ajuda

A Organização Mundial de Saúde define infertilidade como a «ausência de gravidez após um ano de relações sexuais regulares e sem uso de contraceção». Existe consenso médico em considerar que após um ano de tentativas sem sucesso se deve iniciar um processo de avaliação de fatores envolvidos. Alguns especialistas defendem até que este período poderá ser reduzido para seis meses no caso de mulheres com mais de 35 anos.

Lisa Vicente, considera que a pessoa que teve «no seu passado história de alguma doença infeciosa ou oncológica, que tenha recorrido a uma quimioterapia ou a uma cirurgia, deve procurar ajuda mais cedo».

Forma(s) de conceção

Quando a infertilidade bate à porta, o recurso a técnicas de conceção torna-se imprescindível.

Podem ser diagnosticados diversos problemas e cada caso exige uma solução diferente.

A inseminação artificial, que consiste no depósito de espermatozoides no útero através de métodos artificiais, pode ser uma opção. De acordo com Lisa Vicente, a fertilização in vitro, com uma taxa de eficácia de um bebé em cada quatro tratamentos, «é normalmente mais utilizada quando existem problemas femininos», como sublinha.

A injeção intracitoplasmática de espermatozoides (injeção de um espermatozoide diretamente no ovócito), por seu lado, «é o tratamento mais utilizado para problemas masculinos». A taxa de sucesso diminui com o avançar da idade.

Preservar a fertilidade

Ao contrário dos homens, em que a preservação de esperma já está devidamente consagrada, hoje em dia, «nas mulheres, a preservação de óvulos e tecido ovário não tem ainda resultados tão seguros. É um campo em plena evolução», refere Lisa Vicente, acrescentando ainda que, neste momento, essa precaução passa por «prevenir e evitar as infeções sexualmente transmissíveis e fazer uma contraceção segura.

Estas são, sem dúvida, as melhores medidas que temos ao nosso alcance para prevenir complicações que levem à infertilidade». Na opinião da obstetra, «é errado pensar-se que se a pessoa adiar a gravidez tem uma grande probabilidade de se tornar infértil, o que acontece é que a probabilidade de engravidar vai diminuindo com os anos, ou seja, olharmos para a sub-população de mulheres que têm infertilidade, é frequente encontrar mulheres mais velhas, da mesma forma que encontramos mulheres com patologia».

Testemunho

Paula Brás tinha 40 anos quando engravidou do segundo filho, embora tivesse planeado a gravidez para um ano mais tarde. «Tinha perfeita consciência dos riscos que poderia correr, mas também sabia que era um risco controlado», diz. «Optei por ter este filho mais tarde por uma questão logística e profissional e, a partir de determinada idade, fiz sempre um acompanhamento médico», sublinha ainda.

Paula Brás considera que a principal dúvida que se coloca é «se vamos viver o tempo suficiente para acompanhar o crescimento e o desenvolvimento da criança». No entanto, «se a pessoa for saudável e tiver uma vida regrada, à partida também viverá mais anos».

Ao comparar a primeira gravidez (aos 33 anos) com a segunda, Paula Brás confessa que o parto e sobretudo o pós-parto foram mais dolorosos, pois «a capacidade física já não é a mesma!». E que os cuidados de saúde foram cruciais para evitar possíveis complicações. «Deixei imediatamente de fumar», desabafa.

Texto: Cláudia Vale da Silva com Lisa Vicente (obstetra)

Fonte: http://bebe.sapo.pt/gravidez/saude-e-seguranca/ser-mae-depois-dos-40
Postado por Isa às 11:06
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
| | partilhar
Quinta-feira, 7 de Fevereiro de 2013

Rastreio Cancro da Mama - Beja

Rastreio do ca.jpg

Postado por Isa às 14:18
link do post | comentar | favorito
| | partilhar
Segunda-feira, 4 de Fevereiro de 2013

4 de Fevereiro, Dia Mundial da Luta Contra o Cancro

O Cancro dói muito.
Dói, porque assusta, dói porque mata, dói porque é uma incógnita quando chega e uma incógnita porque não sabemos se vai embora...
Dói, por aquilo que somos, e podemos não voltar a ser...
Dói por a maneira que muitos nos olham..por aquilo que pensam, por aquilo que não dizem...
Dói, porque nos transforma...
Dói porque não queremos que os que estão perto de nós sofram...
É preciso ter sorte como tudo na vida...
Mas também é preciso não desistir, é preciso concentrar-se em casos de sucesso de pessoas que sobreviveram ao cancro, o que para mim foi um alento.
É a essas pessoas que peço, que transmitam e divulguem a vossa história, há uma esperança para quem as lê, para quem as pode conhecer.
Já somos muitos, e temos a obrigação de semear esperança num coração que descobriu que tem cancro.

Para quem está a passar pela doença, que corra tudo bem, é o que mais desejo, e pensamento positivo.
E é por isso que continuo com este blog ativo, embora muitas vezes não passe cá tantas vezes como gostaria.

Aqui neste link, podem ler o meu testemunho http://umaluznaescuridao.blogs.sapo.pt/285093.html
Postado por Isa às 17:17
link do post | comentar | favorito
| | partilhar

Ultimas sobre o Cancro

http://saude.sapo.pt/dossiers/cancro-as-ultimas-grandes-novidades-cientificas
Postado por Isa às 17:07
link do post | comentar | favorito
| | partilhar

Dia Mundial da Luta contra o Cancro

Hoje, dia 4 de Fevereiro, é Dia Mundial da Luta contra o Cancro, para quem está a passar pelo cancro, as melhoras, que tudo passe rapidinho e sem muita dor. Para quem passou que continue com saúde.
Beijinhos e felicidades a todos...
Postado por Isa às 16:45
link do post | comentar | favorito
| | partilhar

.As minhas fotos - Alentejo

.Eu

.Contacto

isabelguerreiro@net.sapo.pt

.links

.posts recentes

. Até sempre...

. Seis recomendações para e...

. Oncologia no Alentejo

. Serpa: Rastreio Cancro da...

. O ultimo

. Venha Correr ou Andar por...

. 4 anos daminha reconstruç...

. "A batalha que nós não es...

. Uma historia de vida, nes...

. Um dia pela Vida...

.arquivos

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.favoritos

. Está a chegar o final do ...

. Tia Bia

. Novo passo no tratamento ...

. Avó Nena

. Tia Bia

. Amor

. Mãe

. Pai

. Manas

. Obrigado

.Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.pesquisar

 
Todos os artigos e matérias publicadas neste blog, bem como as informações sobre procedimentos de exames e diagnósticos aqui inseridos, têm carácter estritamente informativo e não devem ser utilizadas de forma alguma para a realização de auto-diagnóstico, auto-tratamento e ou auto-medicação. Em caso de dúvidas, consulte o seu médico.

.últ. comentários

Tudo graças ao th melhor herbalist no mundo, eu te...
boa tarde, tenho uma amiga que acho que vai fazer ...
O seu blog e muito interessante com muitos conteud...
Tambem quis comprar e nao achei! A editora ja nao ...
Obrigado pela informação publicada :-)Bem-hajaJN
Prima, fiquei emocionada com o teu testemunho.Semp...
Olá, boa noite descobri o vosso blog por acaso,mas...
Excelente informaçao . Tenta neste site que os adv...
OláEncontrei por acaso o seu blog.Tive uma experiê...
Obrigada pelos esclarecimentos e palavras de apoio...

.mais comentados

44 comentários
28 comentários
25 comentários
24 comentários
23 comentários

.Visitas

.tags

. todas as tags