"Sair de um blog sem comentar é como visitar alguém e ir embora sem se despedir..."
Quinta-feira, 7 de Janeiro de 2010

Risco de fecho para metade dos serviços de oncologia

Metade dos actuais serviços de oncologia não cumprem os requisitos definidos pela Coordenação Nacional para as Doenças Oncológicas para prestação de cuidados: identificar 500 novos casos e tratar 250 doentes por ano. Se o plano for aprovado, podem fechar.

Sabe-se que 55 hospitais tratam doentes com cancro. Este foi, pelo menos, o número avançado pelo coordenador para as Doenças Oncológicas Pedro Pimentel, ontem, na Comissão Parlamentar de Saúde. O Sistema Integrado de Gestão de Inscritos para Cirurgia calculava, há uns tempos, que dos 63 hospitais do SNS, 60 fazem cirurgia oncológica. E que, destes, 14 reúnem 65% das cirurgias. Ou seja, várias dezenas deles acabam por ter relativamente poucos doentes em mãos.

Para somar à complicação, a Administração Central do Sistema de Saúde dá conta de 31 unidades ou centros hospitalares com oncologistas, havendo doentes tratados noutros estabelecimentos sem serviço de oncologia.

O certo é que, segundo especialistas ouvidos pelo JN, metade desse número incerto não cumprem os requisitos definidos pela Coordenação para a prestação de cuidados em oncologia. São claros, mas, avisou Pedro Pimentel, não definitivos: um mínimo de 500 novos casos diagnosticados e 250 doentes tratados por ano para um hospital poder ter uma unidade de oncologia. Para ascender a serviço, o limiar mínimo é de mil novos casos e, para ser centro, terão que ser mais de dois mil.

Pedro Pimentel não adiantou quantos dos 55 hospitais identificados estão abaixo destes limites. Entrega o levantamento às administrações regionais de saúde que, com os hospitais e o Ministério da Saúde, terão de definir a nova rede de referenciação hospitalar, idealmente até ao fim do ano.

O responsável adianta apenas que os limites são números "equilibrados e razoáveis", tendo em conta "a escassez de recursos humanos, técnicos e financeiros". A sua aplicação, acredita não terá "impacto significativo nos doentes". Abaixo desses limites, "poderá haver uma dispersão excessiva dos recursos técnicos", hipotecando "a qualidade dos cuidados".

Vítor Veloso, da Liga Portuguesa Contra o Cancro, alinha no argumento. "Temos que escolher: ou tratamos com cuidados dignos ou fazemos como até agora, em que qualquer hospital acha que pode tratar doentes oncológicos e não é verdade". Porque uma equipa envolve "uma estrutura multidisciplinar, que a maior das unidade não tem". E fazer duas ou três cirurgias por ano "não cabe na cabeça de ninguém".

Os limites, diz o médico, apesar de "consagrados internacionalmente", não podem ser rígidos: haverá excepções, no interior e nas periferias. Uma ideia avançada por Pedro Pimentel: não se trata só de fechar unidades sem condições, mas também de melhorar as existentes para os serviços cumprirem requisitos. E, até, prever extensões em zonas isoladas.

Já Jorge Espírito Santo, do Colégio de Oncologia da Ordem dos Médicos (OM), insiste que não há regras internacionais. A própria OM fixou um limite mais razoável de 150 novos doentes por ano. Que nem todos os hospitais cumprem. O limite da Coordenação, garante, não engloba metade das unidades. Ressalva que o documento está em aberto e acredita que, mais do que fechar, a ideia é investir em hospitais mal apetrechados. Mesmo que, por razões geográficas, por exemplo, não atinjam os limites mínimos.

 

 Fonte: Jornal de Noticias

_____

"impacto significativo nos doentes" -

Como é obvio muitos serão afectados, nunca percebi estas politicas, do agora - vamos equipar tantos hospitais com meios de diagnósticos e meios humanos e agora vamos acabar com essas unidades...

Entendam-se, cada vez há mais casos de cancro, não me parece que seja boa ideia para o doente, ser tratado longe de casa. 

Ser tratado longe de casa, nunca será igual a ser tratado perto, em oncologia, o apoio conta muito, e as pessoas que nos rodeiam, não nos podem acompanhar para longe.

 

Em tempos já se falou em acabar com a unidade em Beja, espero que agora depois de se ter feito melhorias, não acabem com ela.

 

E não venham comparar a situação com o caso das maternidades e as salas de parto, que não tem nada a ver, o parto é só uma situação, enquanto que um problema oncológico passa-se por várias situações, e o estado de espírito não é o de ir ter um filho, é bem, mas bem diferente. 

 

Como é obvio estou a colocar-me do lado do doente, é esse o lado que tenho que defender, e obviamente a continuidade da unidade oncológica em Beja.

 

Não tem que haver uma unidade em cada hospital, nem em cada unidade, mas pelo menos que haja em cada distrito.

Postado por Isa às 08:30
link do post | comentar | favorito
| | partilhar
5 comentários:
De Salomé Coutinho a 7 de Janeiro de 2010 às 09:37

Olá Isa,

concordo plenamente: estou a ser tratada aqui ao pé de casa, em Portimão e até agora tem corrido tudo bem. Temos um grupo de profissionais dedicados e, ainda que não seja perfeito, penso que é preferível reforçar estes meios e investir do que obrigar-nos a ir para Lisboa ou mesmo para Faro.
No caso da radioterapia esta é feita em Faro, mas também é um período de tempo relativamente curto. Quanto a novos casos: uma das cirurgiâs do grupo da mama falou-me numa média de 2 a 3 novos casos por semana, só de patologia mamária.
Espero que esta restruturação seja feita com respeito pelos doentes e pelos profissionais que se têm dedicado a uma área que é especial. Falo como doente mas também como enfermeira.
Obrigada por continuares a alertar consciências para este problema.

Bjo gde.
De IsaLenca a 7 de Janeiro de 2010 às 09:40
A discussão agora está na mão de técnicos e especializados, dizem.

Dia 14 de Janeiro, o tema na AR será precisamente a situação oncológica no país, onde será ouvida a ministra da Saúde.



 
De Desconhecido a 7 de Janeiro de 2010 às 10:20

Oncologia: Unidade de Oncologia da ULSBA não está em causa


A Coordenação Nacional para as Doenças Oncológicas recomenda que devem ser identificados 500 novos casos e tratar 250 doentes por ano, para um hospital ter uma Unidade de Oncologia. “Na Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA) surgem 500 novos casos de cancro por ano” e “a possibilidade do serviço de oncologia vir a desaparecer não se coloca”.







O novo mapa nacional para o tratamento do cancro, que está a ser discutido até ao final deste mês, recomenda um mínimo de 500 novos casos diagnosticados e 250 doentes tratados por ano, para um hospital poder ter uma Unidade de Oncologia. Para ascender a serviço, o limiar mínimo é de mil novos casos e, para ser centro, terão que ser mais de dois mil. O Sistema Integrado de Gestão de Inscritos para Cirurgia calcula que dos 63 hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS), 60 fazem cirurgia oncológica e que, destes, 14 reúnem 65 por cento das cirurgias. De acordo com o mapa divulgado na edição de ontem, do “Público, na ULSBA realizaram-se, em 2008, mais de 100 cirurgias oncológicas. “Nesta Unidade surgem, anualmente, 500 novos casos de cancro e cerca de 200 a 250 são digestivos”, as declarações foram dadas, em entrevista, à Voz da Planície, a 30 de Setembro de 2009, pelo médico Sérgio Barroso, responsável pela Unidade de Oncologia da ULSBA.


Rui Sousa Santos, presidente do Conselho de Administração da ULSBA, considera que “o novo mapa nacional para o tratamento do cancro está a ser bem discutido” e que “não existem motivos para preocupações”. Rui Sousa Santos garantiu, que “a área da oncologia no Hospital de Beja é um dos seus principais motores” e que “a possibilidade do serviço vir a desaparecer é uma hipótese que nem sequer se coloca”. Frisou ainda, que “é cada vez mais complexo tratar o cancro e que deve haver racionalização de recursos”. Na sua opinião, “devem ser tomadas diferentes decisões, para realidades distintas, na medida em que a realidade em termos de resposta não é equitativa na faixa Litoral e no interior do País”. Disse, igualmente, que “a discussão está a ser efectuada nesse sentido” e que “estratégias regionais para este efeito são necessárias, desde que estejam todas debaixo da mesma orientação técnica, por ser fundamental também dar, cada vez mais, uma resposta adequada”.


Tal como aconteceu no fecho das maternidades, dos serviços de urgência e de atendimento permanente, os objectivos são concentrar serviços e rentabilizar recursos, critérios que poderão vir a conduzir, no caso de não virem a ser alterados, ao encerramento de unidades de oncologia, no País. A rede de referenciação oncológica, que se pretende colocar agora no terreno, está prevista desde 2002, sabe-se que 55 hospitais tratam doentes com cancro, de acordo com o número avançado pelo coordenador para as Doenças Oncológicas Pedro Pimentel, no passado dia 5, na Comissão Parlamentar de Saúde, e que as decisões de encerramento vão caber às administrações regionais de saúde e em última análise à ministra.


De acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) as maiores percentagens de cancro na população portuguesa verificam-se nos distritos de Beja, Setúbal, Lisboa, Porto e Viana do Castelo. Para além disso, as estatísticas revelam ainda, que o cancro em Portugal pode aumentar mais 20 por cento até 2020. Seja como for, os gastos em Portugal, no tratamento com cancro, per capita, é de 53,3 euros, face aos 92 euros da Holanda, aos 124 da França e aos 182 do Reino Unido. Na Europa abaixo do nosso País estão a Hungria, com 49 euros, a Polónia, com 30 euros, e a República Checa, com 50 euros.


Radio Voz da planicie

De @home a 7 de Janeiro de 2010 às 11:14

Oi Isa, concordo inteiramente contigo.

São desculpas para os recursos serem direccionados para outras coisas. para além disso acho chocante dar apenas o direito aos doentes dos grnades centros.

Tenho vergonha de viver num país como este!

Jokinhas
De Lina a 7 de Janeiro de 2010 às 15:36

Concordo prefeitamente!
E tal como a Imel é vergonhoso viver num país assim...

bjsssssssss

Comentar post

.As minhas fotos - Alentejo

.Eu

.Contacto

isabelguerreiro@net.sapo.pt

.links

.posts recentes

. Até sempre...

. Seis recomendações para e...

. Oncologia no Alentejo

. Serpa: Rastreio Cancro da...

. O ultimo

. Venha Correr ou Andar por...

. 4 anos daminha reconstruç...

. "A batalha que nós não es...

. Uma historia de vida, nes...

. Um dia pela Vida...

.arquivos

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.favoritos

. Está a chegar o final do ...

. Tia Bia

. Novo passo no tratamento ...

. Avó Nena

. Tia Bia

. Amor

. Mãe

. Pai

. Manas

. Obrigado

.Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.pesquisar

 
Todos os artigos e matérias publicadas neste blog, bem como as informações sobre procedimentos de exames e diagnósticos aqui inseridos, têm carácter estritamente informativo e não devem ser utilizadas de forma alguma para a realização de auto-diagnóstico, auto-tratamento e ou auto-medicação. Em caso de dúvidas, consulte o seu médico.

.últ. comentários

As lojas Ortopédicas da Universo Senior no Colombo...
Tudo graças ao th melhor herbalist no mundo, eu te...
boa tarde, tenho uma amiga que acho que vai fazer ...
O seu blog e muito interessante com muitos conteud...
Tambem quis comprar e nao achei! A editora ja nao ...
Obrigado pela informação publicada :-)Bem-hajaJN
Prima, fiquei emocionada com o teu testemunho.Semp...
Olá, boa noite descobri o vosso blog por acaso,mas...
Excelente informaçao . Tenta neste site que os adv...
OláEncontrei por acaso o seu blog.Tive uma experiê...

.mais comentados

44 comentários
28 comentários
25 comentários
24 comentários
23 comentários

.Visitas

.tags

. todas as tags