"Sair de um blog sem comentar é como visitar alguém e ir embora sem se despedir..."
Terça-feira, 1 de Abril de 2008

Randy Pausch

Vi no telejornal do canal 1, e vim a procura na net , a historia incrível deste homem...
******
O que diria aos seus alunos se soubesse que lhe resta pouco tempo de vida? Um tranquilo professor de informática norte-americano transformou uma tradição universitária em acontecimento mundial. A sua "última palestra" vai ser editada em livro para a semana. Por Ana Gerschenfeld

a Randy Pausch sabe que vai morrer, mas não dentro de décadas, quando for velho e tiver netos. Pode morrer dentro de semanas, talvez meses - amanhã, até - e a menos que aconteça um milagre, morrerá antes do fim do ano. Aos 47 anos, este professor de Informática da Universidade de Carnegie-Mellon , em Pittsburgh , na Pensilvânia, craque da realidade virtual, casado e pai de três crianças pequenas, sofre de um cancro terminal do pâncreas.
Na sua universidade, existia uma tradição: os professores podiam "fingir" que estavam a morrer e proferir uma "última palestra", durante a qual tinham a oportunidade de transmitir aos seus alunos e à posteridade as lições de vida que achavam mais relevantes. Mas quando Randy Pausch subiu ao palco, a 18 de Setembro do ano passado, a morte não era uma hipótese remota para ele. Estava ali, tangível, quase no horizonte imediato.
Pausch começou por apresentar os resultados da sua última TAC abdominal e, apontando para as imagens em raios X, por dizer que, literalmente, não tinha muito tempo para viver: "Dez tumores no meu fígado [e outros no pâncreas], e os médicos disseram-me que me restam três a seis meses de boa saúde. Isso foi há um mês, portanto façam as contas." Acrescentou que, por incrível que isso fosse, naquele momento se sentia fantasticamente bem - e para o provar, fez logo ali, à frente de um público de 400 pessoas, uma série de flexões dignas de um ginasta.
Mas durante a hora que se seguiu, Pausch não falou da sua doença, nem da dor profunda que sente por saber que não verá crescer os seus filhos - e que provavelmente os dois mais novos (que têm quatro e dois anos, respectivamente) nem se irão lembrar dele em primeira mão. O mais velho fez seis anos há pouco. Quis falar, antes, de coisas "menos importantes" do que a mulher e os filhos ("dos quais não posso falar sem chorar"), isto é, da segunda coisa mais importante do seu ponto de vista. Daquilo que significa "realmente realizar os seus sonhos de infância". Foi esse o tema que escolheu para a sua última palestra.
Em poucas semanas, o vídeo da conferência, que foi primeiro noticiada por um jornalista do Wall Street Journal (que agora co-assina com Pausch o livro que vai ser lançado para a semana nos EUA) e depois difundida no YouTube , foi visto por mais de seis milhões de pessoas no mundo, da Alemanha à China. O olhar intenso, as sobrancelhas grossas, a cara de típico bom rapaz americano, o sorriso amplo, o sentido de humor, a sua energia e a vontade de viver e de lutar, a sua atitude perante a vida e a morte tocaram multidões.
Sonhos e paredes
Pausch apresentou a sua lista de sonhos de infância, que iam de "ganhar peluches gigantes nas feiras" (o que fez repetidamente) a "ser como o capitão Kirk " (personificado por William Shatner na série Star Trek dos anos 60). Olhando para o seu currículo de sonhos realizados, ele é de facto bastante impressionante. O que não significa que Pausch tenha sempre conseguido exactamente o que sonhava. Mas, mesmo assim, em muitos casos conseguiu e nos outros a alternativa foi tão boa ou melhor do que o sonho original. Muitas vezes, pareceu-lhe que estava a bater com a cabeça contra um muro quando tentava realizar um desses sonhos, mas isso nunca o desalentou.
Por exemplo, já professor, experimentou, com os seus alunos, o estado de microgravidade a bordo do chamado Vomit Comet da NASA (um avião que simula uma queda livre de cerca de 25 segundos, criando no seu interior as condições de "gravidade zero" do espaço). Previsivelmente, não conseguiu jogar no nível de topo do futebol americano (um outro sonho), mas adorou esse jogo enquanto amador e o desporto em geral - continuava, há semanas ainda, a andar uma hora de bicicleta por dia.
Durante uma sabática, foi trabalhar para a Disney Imagineering (outro sonho) na criação de mundos virtuais para os parques temáticos da Disney, mas quando lhe propuseram um emprego preferiu voltar para a vida académica (permanecendo no entanto como consultor da empresa, "o melhor de dois mundos", diz Pausch ). Também recebeu há uns anos a visita de Shatner Kirk no seu laboratório de realidade virtual de Carnegie-Mellon .
Só que os sonhos de infância não são a única segunda coisa mais importante: tão importante quanto isso é ajudar outros a realizar os deles. Aí também, Pausch conseguiu o que queria: criou e ensinou durante dez anos um curso multidisciplinar e inovador, intitulado Building Virtual Worlds , que foi um autêntico sucesso. Foi co-fundador do Centro de Tecnologias do Entretenimento da Carnegie-Mellon e fez Alice, um software educativo que pode ser utilizado até por miúdos das escolas para criar animações por computador - e ao mesmo tempo aprender a programar na linguagem Java.
A mensagem de toda esta história? "Os muros não existem para nos deixar de fora", diz Pausch . "Existem para nos dar a oportunidade de mostrar quanto desejamos uma coisa. Estão lá para parar as outras pessoas." No fim da palestra, deixou algumas lições, tais como "ouvir realmente as críticas dos outros", "trabalhar muito", "ser-se bom em alguma coisa, porque isso nos faz sentir que valemos algo". E para fechar, numa espécie de reviravolta dramática, perguntou: "Já perceberam qual foi o verdadeiro objecto da minha palestra? Foi como viver a vossa vida. Se a viverem da forma certa (...) os sonhos virão." Depois, à beira das lágrimas, uma outra adivinha: "Já perceberam qual foi o segundo objecto da minha palestra? É que ela não é para vocês, é para os meus filhos. Obrigado a todos e boa noite."
A doença no quotidiano
O cancro de Randy Pausch foi diagnosticado em Setembro de 2006. Ele e a sua mulher, Jai , pensavam que se tratava de uma hepatite, mas o exame revelou a extrema gravidade da situação. Pausch foi operado pouco tempo depois, tendo-lhe sido retirados "um terço do estômago, um pedaço do intestino, a vesícula biliar e um terço do pâncreas". Semanas depois, foi a Houston para se submeter a uma combinação altamente agressiva e tóxica de quimioterapia e radioterapia, regressando para a terminar em Pittsburgh umas semanas mais tarde. Recebeu, ainda, várias doses de uma vacina experimental. Tudo para tentar fazer com que os tumores não reaparecessem, para aumentar as suas hipóteses de sobrevivência. Uma página na Web http :/ download.srv.cs.cmu.edu ~pausch news index.html ) descreve ao pormenor como tem sido a sua vida desde então. A recuperação foi lenta, a perda de peso massiva, o cansaço extremo.
Apesar disso, a seguir à operação e aos tratamentos, Pausch acreditou que talvez estivesse entre os raros doentes que conseguem sobreviver a este cancro altamente letal durante cinco anos. A doença não parecia ter-se espalhado para o resto do seu organismo. A má notícia chegaria um ano mais tarde, em Agosto de 2007, quando a TAC (que fazia periodicamente) mostrou o regresso em força dos tumores. A partir daí, diz Pausch , "não há plano B ". Apenas quimioterapia paliativa, um tratamento que consiste em medicamentos que travam, temporariamente, o crescimento e a progressão das metástases. "Depois disso, é difícil saber quão rápido será o declínio, e não é uma maneira particularmente agradável de morrer", diz Pausch na sua entrada de 15 de Agosto.
Foi nessa altura que os seus médicos lhe anunciaram que lhe restavam, no máximo, três a seis meses de vida de qualidade. Seis meses mais tarde, já em Fevereiro deste ano, Pausch escrevia no seu boletim de saúde online: "Faz hoje seis meses que me disseram isso. (...) ainda estou vivo (..) Hoje, andei de bicicleta (...) Vou continuar a divertir-me todos os dias que me restam, sejam eles muitos ou poucos." Viver um dia de cada vez, tentando ganhar tempo ao tempo, nem que sejam umas semanas ou uns meses.
Porém, o sofrimento físico e emocional que o cancro do pâncreas impõe é tudo menos divertido. E Pausch sabe-o muito bem. O cansaço extremo provocado pela cirurgia e os tratamentos - e sobretudo o facto de saber exactamente o que lhe vai acontecer quando os medicamentos deixarem de surtir efeito, são algo difícil de imaginar para quem não passou por isso.
Mas não para esta família: mal souberam que o cancro tinha regressado, Pausch e a mulher decidiram mudar-se com os filhos para Norfolk, na Virgínia, onde vive a família de Jai , em previsão dos tempos que estão para vir. Pausch trabalha por email e via Web a partir da sua casa, brinca o mais possível com os filhos, descansa e dorme quando já não tem forças para mais nada. Jai e eu estamos a começar a considerar quais serão as nossas opções em termos de cuidados paliativos quando chegar a altura disso", escreve Pausch .
A quimioterapia paliativa teve de ser entretanto reforçada, em Janeiro de 2008, porque os tumores estavam a dar mostras de quererem voltar a avançar. E há pouco mais de duas semanas, foi preciso suspender todos os medicamentos porque Pausch sofreu, devido à sua toxicidade, uma insuficiência renal, insuficiência cardíaca e acumulação de líquidos à volta dos pulmões e teve de ser hospitalizado. A urgência médica já foi ultrapassada, não tendo aparentemente deixado sequelas permanentes. Na entrada de anteontem, 29 de Março, na página Web lê-se: "Estou claramente a recuperar energia; cada dia passo menos tempo na cama e estou a sentir-me globalmente mais "humano"."
A actividade tumoral, essa, tem vindo a aumentar lentamente, mas Pausch e o seu médico confiam que ele vai poder retomar em breve a quimioterapia. Pausch também se tem informado sobre outros tratamentos que poderia experimentar quando já nada do que está a fazer resultar. Mas são poucas as alternativas credíveis.
Um cancro "órfão"
O cancro do pâncreas vitima, por ano, dezenas de milhares de pessoas nos EUA e na Europa. Afecta mais os homens do que as mulheres, não há método de diagnóstico precoce e uma vez declarado, as hipóteses de sobreviver para além de uns meses são escassas. O actor Patrick Swayze, de 55 anos, anunciou há dias que tinha cancro do pâncreas - e antes dele vieram outras celebridades, como o pintor belga René Magritte (morreu em 1967), o trompetista de jazz Dizzie Gillespie (1993) ou o cantor de ópera Luciano Pavarotti (2007).
O cancro do pâncreas é aquilo a que se costuma chamar uma "doença órfã". Basicamente, é uma doença que não interessa os cientistas e para a qual não tem havido, portanto, grandes avanços terapêuticos. E se há uma coisa que enfurece Pausch (ele, que não se quer deixar abater pela sua trágica situação pessoal), é precisamente isso. Pausch tornou-se agora um activista da causa e começou a colaborar com organizações como a PanCan (pancan.org) para sensibilizar os políticos norte-americanos. Diz que quer ser o "Michael J. Fox do cancro do pâncreas", numa referência ao actor de Regresso ao Futuro que tem feito um intenso lobbying a favor da investigação da doença de Parkinson, de que padece.
Foi por isso que, apesar do seu estado de saúde das últimas semanas, Pausch não quis perder a oportunidade de ir a Washington, a 13 de Março, falar da sua doença perante uma comissão do Congresso. Com apenas oito minutos de duração, o clip de vídeo, disponível em http :/ download.srv.cs.cmu.edu ~pausch /, é um autêntico manifesto.
Ninguém fala deste cancro porque as suas vítimas "morrem demasiado depressa", explica Pausch . E os cientistas mais jovens e mais inovadores não estão interessados porque não há dinheiro para a investigação nesta área. Ora, sem eles, nunca haverá uma solução para esta doença. Já não chegam as quimioterapias e as cirurgias, o futuro passa pela genética. E se houver dinheiro para a investigação, Pausch acredita que, quando os seus filhos forem crescidos, haverá uma cura. Financiar intensivamente a investigação científica é o ingrediente necessário e suficiente para que as coisas aconteçam, disso não tem dúvida. Ele próprio é investigador e sabe como as coisas se passam.
Antes de a audiência terminar, Pausch puxa de uma fotografia da família e apresenta-a com uma emoção mal contida, desenhando setas com um marcador vermelho: "Dylan de seis anos, que adora dinossauros; Logan, quatro anos (...) e Chloe, dois anos. (...) E esta é a minha viúva."


Postado por Isa às 23:38
link | comentar | ver comentários (11) | favorito
partilhar

Jantar em casa da Carmo

Ontem fomos jantar à casa da Carmo e do Zé.

Uma bela cataplana de peixe, que o próprio Zé fez. Estava muito boa.

Depois de sobremesa fondue de chocolate com fruta...outra coisa boa...

O pior de tudo, é que para segunda feira, inicio da semana, deitei-me bastante tarde.

Falámos, falámos nem demos por as horas passarem.

 

 

 

 

 

Postado por Isa às 10:27
link | comentar | ver comentários (4) | favorito
partilhar

Dia das mentiras

As 7 maiores mentiras da internet

 

 

 

Confira as maiores farsas que já circularam na rede:

1 – O turista do World Trade Center



Após os atentados de 11 de setembro, surgiu uma foto de um turista em cima de uma das torres gêmeas com um avião bem próximo da torre, que teoricamente seria momentos antes dos ataques terroristas. Na verdade, trata-se de uma montagem, o avião que se chocou é um Boeing 767 e o que mostra na foto é um 757, além disso, na foto mostra o avião se aproximando da torre norte, sendo que essa não tinha ponto de observação para turistas.


2 – Vírus do ursinho



E-mails circularam dizendo que o aplicativo “jdbgmgr.exe”, que possui um ursinho como ícone, era um vírus e que deveria ser apagado imediatamente do computador. O arquivo em questão não era vírus, mas sim, um componente necessário do Windows.


3 – Microsoft Firefox



É uma farsa recente. Uma montagem muito bem elaborada de um site mostrava o novo Microsoft Firefox 2007 Professional. A montagem era tão bem feita que muitos usuários do Firefox acreditaram.


4 – A cobra do McDonald’s



Surgiu na rede a estória1 de que em um restaurante da rede McDonald’s de Goiânia, uma criança estava brincando em uma piscina de bolinhas. Ela reclamou várias vezes para a supervisora do brinquedo de que havia tomado choque, porém a supervisora alegava que não era choque, pois o brinquedo não tinha nenhum tipo de ligação elétrica. Na terceira vez que a menina reclamou, ela desmaiou. A menina morreu por envenenamento e após esvaziarem a piscina de bolinhas, acharam um ninho de cobras no local. Esse fato teria, segundo a lenda urbana, provocado o fechamento de quase todos os estabelecimentos da rede na cidade.

Essa lenda urbana surgiu nos EUA, a mesma estória se repete inúmeras vezes, com algumas pequenas mudanças. Sites tomaram conhecimento do assunto, investigaram e chegaram à conclusão de que tudo não passava de uma lenda urbana.


5 – Coca-cola light + Mentos



Várias pessoas receberam um e-mail, afirmando que uma pessoa tomou Coca-cola light com uma pastilha mentos sabor hortelã e morreu, pois segundo o e-mail, a junção desses produtos ocasionava uma explosão. Tudo não passa de uma farsa. O especialista da USP que é tratado no e-mail não existe. A Coca-cola divulgou uma nota afirmando: “(...) ao ingerir uma bebida gasosa, esta entra em contato com a comida e o máximo que pode ocorrer é uma pequena expansão do gás dentro da boca, que se dissipa rapidamente, não ocorrendo nada com intensidade semelhante ao experimento que se observa na internet.” Caso semelhante e que também é uma mentira, é o caso da Fanta Uva.


6 – Leite Longa Vida



A mensagem dizia que o número que fica na parte inferior das embalagens de leite significa a quantidade de vezes que o leite foi retomado, repasteurizado e colocado a venda novamente. Pela lei, o leite cru não pode sofrer duas vezes tratamento térmico. Em termos econômicos, sairia muito mais caro para as empresas repasteurizar o leite. A Tetra Pak, responsável pelas embalagens do leite, divulgou uma nota desmentindo o caso e afirmando que o número em questão é impresso no momento da produção da mesma e refere-se ao posicionamento da bobina utilizada.


7 – Agulhas contaminadas

Em 1998, circularam e-mails dizendo que uma pessoa foi ao cinema, sentou em uma poltrona e foi espetada por uma agulha, junto desta havia um bilhete afirmando que a pessoa acabara de contrair HIV. Segundo a Dra. Vânia Maria Bessa Ferreira, no fórum do site da Ong Viva Cazuza, diz que "só haveria risco, ainda que teórico, se esse objeto fosse uma agulha contendo sangue contaminado. Ainda assim, a passagem da agulha pela roupa teria eliminado o sangue. Portanto, não há com o que se preocupar."

1 - Estória (segundo Michaelis) é uma narrativa de lendas, contos tradicionais.

Postado por Isa às 10:07
link | comentar | ver comentários (4) | favorito
partilhar

Cancro: jejum ajuda na quimioterapia

Estudo mostra que as células sãs resistem melhor ao tratamento num organismo em jejum.

Cientistas da Universidade do Sul da Califórnia, em Los Angeles, desenvolveram um método baseado no jejum que aumenta a resistência dos organismos e das células sãs à quimioterapia, indica um estudo publicado esta segunda-feira, noticia a agência Lusa.

Ao submeter um organismo, neste caso um ratinho, a um jejum de 48 horas, a equipa do biólogo italiano Valter Longo, especialista em envelhecimento, descobriu que as células sãs concentram a sua pouca energia na sobrevivência, tornando-se mais resistentes à quimioterapia do que as cancerosas.

A investigação, divulgada pela revista norte-americana PNAS (Proceedings of the Nacional Academy of Sciences), pode levar a novas estratégias de protecção dos pacientes à quimioterapia no combate ao cancro.

O trabalho foi iniciado há quatro anos e as suas conclusões referem-se por enquanto apenas a experiências com ratinhos. A equipa espera no entanto ter resultados em células humanas dentro de seis meses.

Depois de dois dias sem comer, os ratinhos não mostraram sinais de toxicidade a altas doses de quimioterapia e recuperaram o peso perdido.

Já se sabia que a restrição calórica favorece a conservação das células. «Nesta situação, as células utilizam a pouca energia de que dispõem para se proteger, em vez de se reproduzirem, por exemplo, o que as torna mais resistentes», explica.

Apesar das diferenças entre o organismo do ser humano e o dos ratinhos, o princípio que sustenta a teoria mantém-se, já que é muito semelhante o comportamento das células sãs e das células cancerosas, assegura Valter Longo.

Porém, segundo este investigador, o maior grau de sofisticação do corpo humano faz com que o nível de protecção em relação à quimioterapia seja inferior ao conseguido em ratinhos ou leveduras.

A equipa do biólogo italiano está a trabalhar numa dieta substitutiva do jejum, o que deverá demorar algum tempo, por implicar a necessidade de comprovar a reacção celular a diversos tipos de alimentos.

O investigador espera continuar os seus trabalhos no Equador, onde estudará uma comunidade cujas condições genéticas tornam os seus membros especialmente resistentes ao envelhecimento.

in Portugal Diário
Postado por Isa às 10:00
link | comentar | favorito
partilhar

.Eu

.Contacto

isabelguerreiro@net.sapo.pt

.links

.posts recentes

. Até sempre...

. Seis recomendações para e...

. Oncologia no Alentejo

. Serpa: Rastreio Cancro da...

. O ultimo

. Venha Correr ou Andar por...

. 4 anos daminha reconstruç...

. "A batalha que nós não es...

. Uma historia de vida, nes...

. Um dia pela Vida...

.arquivos

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.favoritos

. Está a chegar o final do ...

. Tia Bia

. Novo passo no tratamento ...

. Avó Nena

. Tia Bia

. Amor

. Mãe

. Pai

. Manas

. Obrigado

.Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.pesquisar

 
Todos os artigos e matérias publicadas neste blog, bem como as informações sobre procedimentos de exames e diagnósticos aqui inseridos, têm carácter estritamente informativo e não devem ser utilizadas de forma alguma para a realização de auto-diagnóstico, auto-tratamento e ou auto-medicação. Em caso de dúvidas, consulte o seu médico.

.últ. comentários

Boa tarde, onde se encontra um médico especialista...
Eu gosto do jeito que você escreve
Eu gosto de seu pensamento e sua maneira de escrev...
Gostaria de saber se alguém tem conhecimento de se...
Boa tarde,Por acaso estou a passar pela situação e...
Bom dia gostaria de saber uma informação como sou ...
Tenho linfoma cutâneo doença crônica e sem cura , ...
tumor benigno na cabeca do colo do femur. grau de ...
https://escritosdispersos.blogs.sapo.pt/222610.htm...
No processo de revisão ou reavaliação, o grau de ...

.mais comentados

44 comentários
28 comentários
25 comentários
24 comentários
23 comentários

.tags

. todas as tags